Para quem já montou, está montando ou pretende montar uma loja virtual, existem três detalhes estruturais principais que precisam ser resolvidos: layout, plataforma de e-commerce e a forma como serão realizados os pagamentos. Todos eles são importantes e estão interligados, mas esse último é responsável por garantir a entrada do faturamento da empresa. Em meio à escolha do formato mais adequado, dois conceitos surgem como alternativas aos empreendedores: adquirente e subadquirente.

Para ajudar você a decidir, vamos explicar melhor os conceitos de cada um e mostrar como essa escolha, se bem feita   pode ajudar qualquer empreendedor do comércio digital, independentemente do nível de complexidade do seu negócio. Se o e-commerce está em fase de planejamento, esta já é uma discussão natural, parte do processo.

Porém, se o projeto está em andamento, uma revisão de diretrizes pode ser  uma oportunidade para buscar resultados melhores, otimizar a forma com a qual seu e-commerce recebe os pagamentos online e economizar nos seus investimentos.

Assine nossa newsletter e receba conteúdos como este em primeira mão!



O que é uma adquirente?

Adquirentes são as empresas responsáveis por processar e liquidar as transações realizadas em cartão de crédito e débito, tanto em comércio físico quanto no e-commerce. Devidamente credenciadas, elas promovem a conversa entre as lojas, as bandeiras de cartão e os bancos emissores dos cartões. Cielo, Rede, Stone e GetNet são alguns dos principais exemplos.

Funciona assim: o cliente acessa o e-commerce, escolhe os produtos que deseja adquirir, insere os dados do cartão e finaliza a compra. Nesse momento, a adquirente passa a trabalhar. Ela entra em contato com as bandeiras, que, por sua vez, verificam com o banco se o cliente possui saldo (no caso do débito) ou limite (em caso de compra no crédito). Se tudo estiver certo, a adquirente recebe a informação de que a transação foi aprovada e libera a compra.

Esse mesmo processo acontece nas lojas físicas. Por meio da máquina, a adquirente lê as informações do cartão e envia os dados para a bandeira, que remete ao banco. Quando está tudo certo, aparece no equipamento a mensagem de que a transação foi aprovada.

Nas transações realizadas pelo cartão de crédito, o pagamento é feito à loja em 30 dias. Já em caso de débito, costuma ser imediato. Caso a compra tenha sido parcelada, o dinheiro é entregue conforme as parcelas são recebidas ao longo dos meses ou à vista, dependendo do contrato.

Para realizar esse serviço, as adquirentes cobram uma taxa por transação realizada, que varia entre 3% e 6%, dependendo da forma de pagamento. As taxas mais altas são aplicadas para as compras parceladas e as mais baixas para as realizadas no débito ou crédito à vista.

Quando o dono do e-commerce opta por uma adquirente, ele precisa saber que essas empresas não oferecem serviços de gateway de pagamento (sistema responsável por processar o pagamento) ou sistema antifraude. Seu valor está nas taxas mais baixas. Porém, para não deixar a operação vulnerável e menos eficiente, é necessário contratar, paralelamente, outros serviços, o que pode acabar onerando a empresa mais do que o previsto.

O que é uma subadquirente?

As subadquirentes, por sua vez, realizam a intermediação do pagamento entre todas as partes que compõe o processo. Elas recolhem os dados dos clientes e enviam para as adquirentes. Depois, realizam a liquidação dos valores com as lojas.

Na prática, o dono do e-commerce contrata a subadquirente e essa empresa se responsabiliza pelo processo todo.Isso  não se refere à transação financeira somente. Além dessa possibilidade, o subadquirente inclui também serviços de gateway de pagamento , sistema antifraude e conciliação financeira. Dessa forma, o e-commerce pode reduzir grande parte dos custos, evitando a necessidade da contratação de outros serviços para fazer suas vendas.

O Wirecard opera como subadquirente, que, além desses serviços, ainda conta com o checkout transparente, uma ferramenta que permite o processamento do pagamento dentro do ambiente da própria loja, sem necessidade de cadastros ou redirecionamentos. Isso oferece ao comprador final uma sensação maior de segurança e credibilidade, pois ele não é encaminhado para páginas externas na hora de finalizar a compra.

Agora, você tem os elementos suficientes para fazer a escolha entre adquirente e subadquirente. Cabe avaliar com seriedade a realidade da sua empresa e as condições oferecidas. Somente a partir desse processo será possível optar por um caminho que fará seu empreendimento crescer de maneira sustentável.

A parceria com a Wirecard, por exemplo, elimina a necessidade de ter diversos contratos e integrações com as adquirentes, gateway, gestão de risco e conciliação. O lojista terá todos esses serviços em apenas um contrato e uma única integração. Quer conhecer todas as vantagens de ter a Wirecard no seu e-commerce? Clique aqui, conheça nossas soluções e marque um bate papo com nossa equipe de consultores.

Facebook Comments