Conheça os novos rumos do Omnichannel

Omnichannel é um termo que vem ganhando cada vez mais espaço nas estratégias de marketing das grandes empresas. Mas, a grande verdade é que esta é uma prática que já vem sido adotada por marcas de todos os portes.

Esta estratégia nada mais é do que a integração entre os canais de comunicação da empresa, tanto no meio on-line quanto no off-line, tornando a experiência do cliente ainda mais rica e aprimorada.

Quando não existem mais barreiras entre os meios, o consumidor pode usufruir dos benefícios da loja física e da agilidade dos canais virtuais, alcançando assim uma experiência única com a marca.

Omnichannel e a revolução nas vendas

A forma mais conhecida de venda Omnichannel é a compra pelos canais virtuais com retirada na loja física. Mas esta não é a única estratégia. Quem nunca, por exemplo, estava em uma loja e pegou o celular para pesquisar mais sobre o produto? Ou, até mesmo, usou o celular para pesquisar os melhores preços enquanto decidia por uma compra?

Outra possibilidade é ir na loja física para conhecer o produto, fechar a compra pelo e-commerce da loja e receber o produto em casa. Ou ser impactado pelas redes socais, ir na loja física conhecer o produto e fechar a compra pelo e-commerce.

Guia completo das vendas omnichannel
E-book

Guia completo das vendas Omnichannel

Saiba como aumentar as vendas integrando canais físicos e virtuais ao seu negócio

Acessar e-book

Esta e outras jornadas do consumidor são a prova de que estamos on-line e off-line simultaneamente o tempo todo. Por isso, é tão importante que as marcas fortaleçam todos os seus canais de venda, para que eles conversem entre si e tornem a experiência de compra muito mais intuitiva.

Com novas plataformas, ferramentas e possibilidade, esta jornada está cada vez mais complexa. Mas, apesar da complexidade, esta prática multiplataforma veio para facilitar ainda mais o jeito de comprar.

Os canais de chat são bons exemplos de como a ampliação dos meios tem facilitado a vida do consumidor. As chamadas Conversational Commerces surgiram para tornar o ato de comprar on-line muito mais humano, aproximando os clientes das marcas com conversas reais.

Segundo o CEO da OmniChat, Mauricio Trezub, “O conversational commerce, como as vendas por WhatsApp, mudou de vez a relação da marcas com seus consumidores, tornando a experiência de compra mais simples e humana”.

A possibilidade de pagamento via chat é um grande diferencial que faz da plataforma OmniChat um canal de vendas eficiente para as marcas.

Em parceria com o Moip, empresa líder no segmento de pagamentos on-line e conhecida por suas práticas omnichannel, a ferramenta possibilita a geração de um link de pagamento na própria plataforma. Tudo isso de forma segura, simples e rápida graças a integração nativa com o Moip, o possibilita uma ótima experiência de compra, já que o pagamento é gerado instantaneamente pelo vendedor e o comprador não precisa sair da plataforma para realizar o pagamento.

Como colocar a estratégia em prática

Não basta apenas estar em todos os canais. É fundamental que todos os meios conversem entre si.  E para ajudar você, montamos um passo a passo simples para que sua empresa dê aos clientes uma experiência Omnichannel satisfatória.

1- Decida como é a comunicação da sua marca.

Antes de sair se comunicando por todos os meios possíveis, você precisa definir qual é o tom de voz da sua empresa. Qual é a personalidade que você quer transmitir em seus canais? Sua empresa é divertida, séria ou amorosa? Qual é o jeito dela falar e como se comporta em situações de crise? Esta estratégia é fundamental no momento de desdobrar a comunicação para todos os canais.

Com um tom de voz bem definido, a experiência Omnichannel é fluída e verdadeira, pois o consumidor tem a sensação de estar falando com a mesma “pessoa” em todos os canais.

2- Escolha quais canais sua empresa vai estar.

Hoje em dia os empresários encontram uma grande variedade de canais de comunicação para a sua marca. Mas é importante avaliar as características e particularidades de cada meio para ter certeza de que sua empresa precisa estar lá. E, principalmente, qual é o conteúdo que poderá contribuir em cada um desses meios e, em contrapartida, qual é a possibilidade daquele canal converter comunicação em vendas.

Neste sentido, o WhatsApp, é um canal que vem ganhando um grande espaço. Afinal, todos os públicos usam o aplicativo diariamente. E nada mais cômodo do que ter suas lojas favoritas na palma da mão.

3- Coloque-se no lugar do usuário

Depois de definir o tom de voz da sua empresa e escolher os canais de comunicação, chegou a hora de conversar com seus clientes e prospects. Esta é uma grande possibilidade de tornar a experiência do usuário agradável e única, atuando com empatia em todos os meios.

Quando a marca se coloca no lugar do usuário, ela é capaz de se comunicar com mais assertividade. Uma experiência conversacional verdadeira faz a marca se consolidar no mercado e, consequentemente, aumentar as vendas.

Este é o momento de colocar a mão na massa e dar voz a sua marca em todos os canais. Mantenha sempre suas redes sociais atualizadas, seja transparente com o consumidor e lembre-se de respeitar o tom de voz da sua empresa em todas as ocasiões.

Invista seu tempo na experiência Omnichannel e aguarde. Em pouco tempo os resultados vão aparecer.

Se interessou pelo tema? Participe do Webinar Benchmark Conversational Commerce Brasil! O primeiro grande evento brasileiro sobre Chat-commerce.

Você irá saber em números como as vendas pelo WhatsApp revolucionaram mais de 300 grandes marcas do varejo com mais de 10 mil atendentes ativos na plataforma OmniChat.

MUMA | Entrevista com Matheus Ximenes, CEO e Fundador

Essa semana batemos um papo com o Matheus Ximenes, CEO e fundador da Muma, que é um marketplace voltado para móveis de design assinado e peças de decoração.

A Muma é cliente Moip e o Matheus contou pra gente sobre como nasceu a Muma e como eles se preparam para uma data como a Black Friday!

1. Conte um pouco sobre a Muma?

A MUMA é uma loja online de móveis de design assinado e peças decoração, com duas Guide Shops (em São Paulo e em Recife), que operam para complementar a experiência proporcionada ao cliente nos canais de venda online. Nosso diferencial é criar uma experiência de compra em que se forma um vínculo entre clientes, designers, produtos e nossa equipe.

Todos os produtos comercializados pela plataforma possuem design exclusivo, de alta qualidade e são criados por designers famosos ou emergentes, de todo o mundo, mas com foco especial no DNA brasileiro.

A MUMA liderou no formato de estabelecer o caminho mais curto e barato entre clientes e designers e inovou na forma de chamar a atenção para os designers e peças de design.

2. Como surgiu a ideia da Muma?

A MUMA nasceu da minha inquietação com a forma como o mobiliário era vendido no Recife, minha terra natal. Só era possível encontrar peças de design muito caras voltadas para um público AA, em lojas tradicionais. Eu mesmo trabalhava em escritório de arquitetura para o mercado de luxo, mas mesmo esse público seleto optava por viajar para comprar fora do Brasil. Aquilo me incomodava porque eu estava na quinta maior cidade do país, com muita gente legal, produzindo peças incríveis. Alguma coisa não estava certa. Então decidi criar uma loja para remodelar esse sistema.

3. Qual o desafio de se preparar junto com os sellers para a black Friday? Como o Moip ajuda nisso?

É um grande desafio a Black Friday e ao mesmo tempo o melhor momento de vendas para a Muma. Esse ano, devido à Pandemia, a Black Friday se tornou mais desafiadora. Muitos fornecedores venderam tanto que ficaram sem produtos para fornecer. Outros, que trabalham com produtos importados, tiveram que aumentar o valor dos produtos devido à alta do dólar. Para a Muma, antes da pandemia a regra sempre foi não aumentamos preços depois de agosto, mesmo que os fornecedores aumentem, para que o consumidor não tenha a sensação que na Black Friday aumentamos primeiro para depois dar um desconto. Mas como tudo que houve esse ano, não foi possível cumprir essa filosofia. Nossos fornecedores tiveram que subir muito o preço e a Muma não conseguiu segurar. Mesmo assim, temos áreas que conseguiremos ter descontos incríveis.

Nessa Black Friday quase tudo na loja vai ter desconto. O menor desconto será de 10% e algumas peças de decoração conseguimos negociar 60%.

A participação do Moip sempre foi fundamental. Pois a experiência de compra não pode existir se o pagamento não acontecer de fato. O que torna o Moip ainda melhor, do nosso ponto de vista, é o consumidor consegue pagar muito rapidamente, com muita segurança e com a certeza de que os dados dele serão bem cuidados. Afinal de contas, temos um ticket médio bastante alto entre nossos clientes, precisamos trabalhar com parceiros que ofereçam alto nível de segurança.

4. Como é a preparação de logística? Fazem ações em conjunto com os Sellers?

Sim, todas as ações são feitas em conjunto com os fornecedores da Muma. Começamos a trabalhar negociações de Black Friday em Agosto, desde produção até prazos de entrega, valores, tudo o que podemos negociamos. Os nossos fornecedores são super parceiros, entram junto conosco sempre e o grande beneficiado é nosso consumidor.

5. Como vocês se preparam para a Black Friday? Como trabalham a divulgação? Quais os formatos favoritos para consumir esse tipo de conteúdo?

Temos o DNA Digital. A Muma nasceu da venda por e-commerce. Nossas lojas são grandes showrooms e nos ajudam a dar confiança em alguns produtos. A Black Friday é para nós imperdível. Durante essa data, trabalhamos muito para oferecer o menor prazo de entrega possível, o menor custo possível e a maior qualidade.

Divulgamos nas nossas redes sociais, por meio de nossa assessoria de imprensa e também compramos algumas palavras chaves na data. Além disso, temos nossos clientes e fazemos uma comunicação direcionada para eles. Aliás, esse na Black Friday é sempre o melhor caminho, a abordagem do seu cliente para que ele compre um novo produto. Temos um marketing muito bem estruturado e que nos apoia para personalizar ao máximo nossa comunicação com o nosso público alvo.

5. Quais práticas utilizadas para aumentar a conversão de vendas durante a Black Friday? Como vocês lidam com a forte concorrência dessa data?

É um misto de coisas. Temos que ter um bom produto e um bom desconto. Também é necessário mostrar nas chamadas os produtos com mais descontos e é preciso que o site esteja todo redondo, não pode falhar em nenhuma página e deve carregar em poucos segundos. Aumentamos nosso potencial tecnológico para nos mantermos no ar mesmo que tenhamos um acesso simultâneo de muitas pessoas e, também, procuramos ter uma equipe pronta para responder dúvidas. O atendimento de chat e telefones faz muita diferença na hora da decisão por um produto de alto valor. Normalmente não nos preocupamos com o que a concorrência está fazendo, pois se cada um fizer a sua parte, o consumidor sempre ganha e todos saem felizes. Existe mercado para todo mundo.

6. Como é o relacionamento com os sellers da Muma antes da Black? Que tipo de estratégias você já usa para atrair novos sellers durante o pré Black Friday?

O relacionamento é de parceria. Fazemos tudo o que podemos para beneficiar o consumidor com produtos de qualidade e bons descontos.

A Black Friday não costuma para nós atrair novos fornecedores. Isso é uma prática diária da Muma. Sempre selecionamos novos fornecedores, desde que eles estejam dentro dos padrões de qualidade que temos e sejam móveis assinados por designers.

7. Como você espera que o Moip dê suporte nos próximos passos do seu negócio? O que vocês precisam do Moip pra isso?

Nossa expectativa é que vocês continuem fazendo o brilhante trabalho de não aparecer rsss. O melhor meio de pagamento é aquele que o consumidor nem percebe que existe. Sinal que foi absolutamente fluida a experiência, sem barreiras e sem problemas. Perfeita. O Moip tem sido um bom parceiro. O que nos ajuda sempre é ter taxas menores para que possamos repassar em benefício para os consumidores.

5 dicas para aumentar a conversão das vendas no e-commerce

Todos os ventos estão soprando a favor do e-commerce. De acordo com o 42º Webshoppers, o segmento cresceu 47% em faturamento e chegou a 41 milhões de compradores (40% de aumento) no 1º semestre de 2020 em relação ao 2º semestre de 2019. Os números são ótimos, certo? Porém, a concorrência e a competitividade evoluem na mesma medida. Por isso que os empresários nunca podem deixar de trabalhar em medidas para aumentar a conversão das vendas no e-commerce.

Pode parecer estranho que mesmo com tanta gente comprando ainda seja necessário se preocupar em conquistar clientes? Pode, mas é isso mesmo. Com o mercado aquecido, mais empresas apostam nas vendas online, o que acaba aumentando a disputa e a necessidade de se diferenciar. Porque o consumidor vai continuar comprando, claro, mas vai optar pelos negócios que oferecem mais vantagens a ele.

Diante disso, fazer com que um visitante da sua loja online se torne um cliente é o objetivo de qualquer empresário. Nesse sentido, desenvolver e aplicar ações para aumentar a conversão das vendas é essencial. E é exatamente isso que veremos na sequência deste artigo.

5 dicas para aumentar a conversão das vendas

Para ajudá-lo nesse desafio que é aumentar a conversão das vendas, separamos dicas bem práticas que você pode aplicar no seu e-commerce sem a necessidade de um grande investimento ou muito tempo de preparação. É claro que não dá para fazer tudo correndo, um mínimo de planejamento para qualquer ação é sempre necessário, não é mesmo?

Porém, você não precisa esperar a hora certa ou um período especial do ano para implementar qualquer uma das nossas dicas. Algumas delas, inclusive, você já pode testar na próxima Black Friday, em 27 de novembro de 2020, e se derem certo, incluir como um processo rotineiro da sua loja online. E, então, vamos conhecer essas dicas?

1 – Garanta uma boa usabilidade

A boa usabilidade no e-commerce segue o princípio de garantir acesso ao site de forma prática e ágil. Isso significa que imagens e vídeos pesados para carregar, dificuldade em visualizar elementos, falhas nos mecanismos de pesquisa, falta de informação, inúmeras etapas para o fechamento da compra, entre outros são problemas que podem levar o consumidor a desistir da sua loja online.

Falando de maneira resumida, o seu e-commerce precisa ter facilidade de navegação em todas as partes, especialmente em relação ao pagamento online da compra. O consumidor precisa sentir segurança nessa transação financeira. Uma forma de assegurar isso é ter o mínimo de etapas possíveis para o fechamento do carrinho de compras. Ter menos burocracia é um incentivo para o comprador seguir em frente e finalizar o negócio.

A melhor forma de fazer isso é com o Checkout Transparente, uma solução do Moip que facilita as transações feitas no e-commerce, pois tudo ocorre no site da loja, sem redirecionamentos ou trocas de página. Para saber mais sobre ela, clique aqui e leia um artigo que fizemos especialmente sobre o assunto em nosso blog!

Ao fornecer um ambiente seguro e com todos os atributos para que a navegação seja simples e prática, sem dúvida as conversões no seu comércio eletrônico serão muito melhores. E as chances do seu cliente voltar, recomendar a sua loja online e ainda lembrar de você na hora em que precisar de um novo produto serão muito maiores.

2 –  Ofereça mais opções de pagamento

Esse tópico poderia estar dentro da usabilidade, mas ele é tão importante que sempre vai merecer um tópico só para ele ― tanto que já falamos sobre isso várias vezes aqui no blog. Pense com a gente: do que adianta ter um e-commerce com tudo funcionando, no qual o consumidor encontra exatamente o que procura, se quando chega no checkout, ele encontra apenas uma ou duas opções de pagamento?

Como comprador, você se sentiria frustrado, não é mesmo? Então, para não deixar os seus clientes com esse mesmo sentimento, coloque à disposição o maior números de meios de pagamentos que for possível.

Cartão de crédito é obrigatório, com as principais bandeiras, no mínimo (Visa, Mastercard, Elo, Hipercard e American Express). Essa forma de pagamento movimentou R$ 323,5 bilhões no e-commerce em 2019 e a tendência é que os números aumentem com o crescimento das vendas. Uma dica aqui é tentar negociar com os fornecedores as melhores condições para poder oferecê-las aos clientes.

Junto com o crédito, também é essencial oferecer cartão de débito e boleto bancário, pois são as outras duas operações mais usadas, inclusive porque uma delas engloba as pessoas que não têm conta em banco. Depois, ainda é possível disponibilizar débito em conta e transferência bancária, sem esquecer, claro, das carteiras digitais, como Apple Pay e Mercado Pago, que já vêm ganhando seu espaço nas transações online.

Cercada por toda essa variedade de opções de pagamento, a tarefa de aumentar a conversão das vendas no e-commerce fica muito mais fácil, certo? Porém, o trabalho não para por aí. Continue com a gente e veja o que mais pode ser oferecido aos clientes para melhorar os resultados.

3 – Reduza o valor do frete o quanto puder

Outro ponto que pode jogar a favor das conversões das vendas é oferecer vantagens em relação ao frete. Sempre que possível, mantenha a taxa de entrega grátis ou com o menor valor que não vá atrapalhar o seu fluxo de caixa. Frisamos sempre esse ponto porque pesquisas mostram que custos extras, como o frete, são um dos principais motivos que fazem o consumidor desistir da compra.

Entretanto, sabemos que nem sempre um e-commerce pode zerar seu frete, certo? Diante disso, outras estratégias podem ser usadas para manter a atenção dos compradores e garantir a conversão, como:

  • Taxa reduzida para determinada mercadoria ou região, que pode ir mudando para abranger diversos públicos;
  • Frete grátis para um valor mínimo ou para a compra de um produto específico;
  • Distribuição de descontos ou bônus em compras anteriores para serem usados como abatimento no frete de uma compra futura.

Entendemos que abrir mão do frete nem sempre vai ao encontro das necessidades do e-commerce, pois fazer o produto chegar ao seu destino envolve gastos. Porém, sabemos que existem diversas formas de trabalhar com essa taxa para que ela não fique pesada nem para o dono da loja online, nem para o cliente. Pesquise, teste e veja o que melhor se encaixa ao seu negócio!

4 – Melhore os prazos de entrega

Esse é outro tópico que faz bastante diferença na hora de finalizar uma compra. Imagine um cliente sonhando em ter o seu produto em mãos na próxima semana e descobrindo que ele só chegará daqui um mês? É para desanimar e fazer muito consumidor desistir da compra na hora. Para que isso não aconteça na sua loja online, você pode desenvolver ações para otimizar os prazos de entrega.

Uma das primeiras atitudes para resolver essa questão sem onerar o bolso do cliente e o caixa do e-commerce é negociar com as empresas transportadoras. Isso mesmo, empresas no plural, porque quanto mais opções você tiver, mais fácil é conseguir um custo-benefício em que tanto o comércio eletrônico quanto o cliente saiam ganhando.

Lembre-se que cada região do país lida com valores distintos de combustível, de hora de trabalho de motoristas, de preços de pedágios e, até mesmo, de condições de estradas que influenciam no desgaste dos veículos. Então, dependendo do lugar, é possível negociar de uma forma diferente. O importante é aproveitar todas as oportunidades de oferecer o menor preço para o seu cliente.

5 – Utilize a retentativa multiadquirente

Essa é uma prática bastante específica, mas que pode ajudar muito a aumentar a conversão das vendas no seu e-commerce. As adquirentes são as empresas responsáveis por fazer a ponte entre a loja, as bandeiras de cartão e as instituições emissoras de cartão (que podem ser os bancos) para que a venda a um cliente possa ser aprovada.

Isso significa que é a adquirente que vai confirmar a venda. Assim que o consumidor finaliza a compra, ela entra em contato com a bandeira do cartão, que então verifica com o banco se há limite para a transação. Se tudo estiver correto, a adquirente libera a compra. No entanto, se houver alguma falha, como dados errados do cartão, demora na comunicação entre adquirente e bandeira ou indisponibilidade do sistema, o processo é interrompido.

Neste caso, quando o dono do negócio online conta apenas com uma adquirente, o problema pode persistir, fazendo com que seja impossível finalizar a compra, trazendo o risco de o cliente desistir da aquisição. Mas se aumentar a conversão das vendas é o objetivo de todo lojista, ele não pode deixar isso acontecer, não é mesmo?

Dessa forma, a retentativa multiadquirente é uma maneira de fazer uma nova tentativa de cobrança a partir de outra adquirente, com o objetivo de permitir a venda ao cliente caso a falha esteja ocorrendo com a primeira adquirente e não por outros motivos. E você nem precisa se preocupar com o cliente, pois todo esse procedimento é realizado em segundos. Ele nem vai perceber que você salvou as compras dele!

Aumente a conversão das vendas no seu e-commerce com o Moip

Como você sabe, o Moip está sempre pronto para ajudar o seu negócio a crescer e alcançar os melhores resultados. Quando falamos em aumentar a conversão das vendas, temos algumas soluções bem pontuais que podem fazer muita diferença no seu dia a dia.

O Checkout Transparente, como já citamos, é uma delas. Com ele, o seu cliente faz o pagamento das compras no site da empresa em que escolheu seus produtos, sem redirecionamentos, sem dúvidas e questionamentos. Também trabalhamos como intermediadora de pagamentos, figura indispensável na implantação da retentativa multiadquirente, pois é ela que vai enviar o comando para fazer uma nova tentativa na segunda adquirente caso o contato com a primeira não tenha dado certo.

E não paramos por aí. Ainda temos ferramentas para a gestão financeira do e-commerce e do marketplace, além de maquininha de cartão para as lojas físicas e um sistema anti-fraude com análises automáticas e manuais. Para conhecer mais sobre as nossas soluções, acesse nosso site ou entre em contato. Nossa equipe está à disposição para atendê-lo. Se preferir, deixe um comentário no espaço abaixo para continuarmos essa conversa!

Como um sistema ERP pode auxiliar na gestão de estoque e logística na Black Friday

Entre as medidas de organização do e-commerce para a Black Friday, uma das maiores campanhas de vendas do ano, gerir o estoque e controlar as integrações logísticas através de um sistema de gestão unificado é uma das estratégias que auxiliam o lojista a organizar a operação e a pensar na campanha de forma inteligente, focando na experiência do cliente.

A gestão do estoque feita de forma correta, evita excessos e falta de produtos no estoque, evitando perdas nas vendas. Quando as informações ficam centralizadas em um único canal, também é possível organizar a loja para a venda em múltiplos canais, facilitando a gestão e integrações aos marketplaces e também aos parceiros logísticos.

O sistema de gestão ERP auxilia desde a inserção de novos produtos no estoque ao acompanhamento do status de pedidos de venda. Todo o fluxo operacional fica organizado, agilizando os processos e ganhando tempo e eficiência na rotina diária.

Confira 3 motivos para utilizar o ERP na gestão de estoque e logística:

#1 Maior controle e giro de estoque:

É preciso estar atento ao estoque, ele diz muito sobre o seu negócio. O giro de produtos é um sinal de que as escolhas de produtos para venda estão agradando o cliente e que ele está chegando até o seu canal para efetivar suas compras. Produto parado em estoque significa capital de giro parado e isso não é bom para o negócio. Nesta época que antecede a Black Friday, é preciso verificar os produtos em estoque para fazê-los girar na campanha de vendas. O sistema de gestão é responsável por manter o estoque atualizado com as vendas de todos os canais, mantendo o empreendedor informado quando produtos estão em falta ou sobrando em estoque.

#2 Organização interna:

É importante registrar tudo o que entra e sai da empresa para ter diagnósticos com relação às campanhas de venda, sucesso ou pouco giro do produto, manter prazos de validade em dia, entre outros cuidados. Além de controlar o estoque, o ERP também também permite a emissão de notas fiscais eletrônicas, a geração de boletos bancários e de cobranças e de propostas comerciais.

#3 Logística Integrada

Engana-se quem pensa que a logística é somente a entrega do produto ao cliente. O processo começa ainda o estoque, englobando desde o processo de armazenagem, seleção de pedidos, preparo do produto e transporte. É uma grande operação. O espaço de armazenagem deve primar pela qualidade do estoque e com organização fica fácil a visualização dos produtos e suas especificações. Isso contribui para a etapa de separação do produto, que deve ser feita com atenção para não errar no pedido do cliente, como modelo, tamanho ou outras especificações.

A embalagem deve ser feita com cuidado em material adequado e exclusivo para cada tipo do produto. Isso para que a entrega chegue em perfeito estado ao cliente. O ERP também é fundamental para fazer integrações logísticas, a fim de ter parceiros responsáveis em casos de problemas com o transporte. A transportadora deve oferecer os serviços de rastreamento e escolta das cargas, já que é um fator importante para que o produto chegue até o consumidor com segurança, evitando problemas para o e-commerce. Através do sistema de gestão é possível gerenciar os seus envios

Benefícios da Logística Integrada:

Utilizando um gateway de fretes integrado a um software de integração logística, é possível fazer cotações de serviços de transporte, definir qual transportadora irá realizar a entrega e acompanhar todo o processo com maior praticidade. Entre os maiores benefícios de ter a logística integrada estão:

  • Planejamento eficiente
  • Cotação de preços e prazos de frete
  • Controle de entrega de produtos
  • Redução de custos
  • Otimização de tempo

Integração para vender mais

Com tantos novos sellers no mercado de e-commerce, a Black Friday é além de uma oportunidade também um grande desafio. A experiência de compra deve ser pensada em todas as suas fases, pensado na jornada de compra desde a pesquisa até a entrega do produto.

É importante que o lojista conheça o perfil do seu cliente para engajar ele nas melhores estratégias de venda e conectar desejo de compra e os produtos à venda. O sistema de gestão ERP online auxilia na integração dos processos e estabelece organização e cuidados internos, fazendo com que o empreendedor possa ter tempo para pensar no negócio de forma criativa, não somente cumprir tarefas automáticas. Se ainda não é cliente Bling, utilize o cupom #wirecard, faça um teste grátis por 90 dias e confira na prática os benefícios de utilizar um sistema de gestão ERP que trabalha em favor do seu negócio.

Confira 4 dicas de marketing digital para a Black Friday para vender mais no e-commerce

Já diz o ditado que, se a vida lhe der limões, você deve fazer deles uma bela limonada. E no comércio não é diferente: se a vida te der um ano difícil nas vendas, capriche no marketing digital para a Black Friday e venda como se não houvesse amanhã! Uma dica, aliás, que é particularmente bem-vinda para quem trabalha com e-commerce.

Afinal, com muitas lojas físicas fechadas ou com pouco movimento por conta da recente pandemia de Covid-19, muitas pessoas abraçaram as compras online de vez em 2020. Prova disso é que, de acordo com dados da 42ª edição do Webshoppers, o e-commerce brasileiro registrou um crescimento de 47% no primeiro semestre deste ano.

Isso significa que esse mercado acaba de passar pela sua maior alta em 20 anos e, para quem quer embarcar nessa onda, a hora é agora. É por isso que, neste artigo, vamos estudar algumas dicas valiosas para tirar o máximo proveito desse momento da economia e, assim, aumentar as vendas na Black Friday, garantindo um fechamento de ano com as contas no azul. Vem com a gente!

Entenda a importância da Black Friday para o e-commerce

Antes de mais nada, vale um alerta para os comerciantes que menosprezam a Black Friday no e-commerce: de acordo com a 41ª edição do Webshoppers, o faturamento da data vem em constante crescimento. Só no varejo online, os ganhos saltaram de R$ 0,87 bilhão em 2014 para R$ 3,2 bilhões em 2019, o que já faz dela uma das datas mais aguardadas pelo varejo.

E fique sabendo que, quando o assunto é ansiedade pela Black Friday, o consumidor pode até mesmo esperar mais do que o vendedor. Não é à toa que os gastos do brasileiro durante os dois dias de promoção chegam à R$ 1.126 per capita, um saldo maior do que o saldo médio estimado para o e-commerce durante o ano todo, que é de R$ 1.002.

Isso que ainda nem mencionamos o fator pandemia: há um consumo represado para o 2º semestre de 2020, esperando justamente as oportunidades pelas quais a data é conhecida. Em outras palavras, o momento de ser procurado, visto, encontrado e desejado pelo consumidor está aqui: é hora de investir em marketing digital e aumentar as vendas na Black Friday!

Conheça 4 dicas para garantir o sucesso no marketing digital para a Black Friday

Por tudo que vimos até aqui, podemos dizer que ventos estão soprando na direção dos bons negócios e, por isso, cresce entre as marcas, lojas e grandes varejos o desafio de convencer aqueles consumidores indecisos sobre comprar ou não. No e-commerce, a oportunidade é perfeita para explorar as redes sociais e as ferramentas digitais ao máximo e caprichar nas vendas. 

Então, para ajudá-lo a simplificar o seu trabalho, elencamos algumas formas bem criativas de fazer isso! Confira:

1 – Planeje seus anúncios com cuidado

Quando pensamos em uma campanha de marketing para e-commerce, é natural que o primeiro pensamento nos direcione para os anúncios pagos e impulsionados nas redes sociais e plataformas digitais. Divulgar seus produtos e serviços por intermédio dessas ferramentas costuma ser fácil, rápido e, relativamente, barato.

Nesse sentido, é muito comum que as marcas aproveitem a proximidade da Black Friday para explorar esses canais. Inclusive, esse é um dado que foi reforçado recentemente pela Socialbakers Brasil, que divulgou um estudo mostrando aumento de 26% nos investimentos em publicidade paga entre abril e junho de 2020!

Contudo, é preciso destacar que operar essas ferramentas e plataformas de anúncios pode ser uma tarefa complexa para aqueles e-commerces que não possuem uma agência ou uma estrutura de marketing para dar suporte.

Nesse caso, por exemplo, contar com o apoio de profissionais vai ajudar com o direcionamento de público, faixa etária, sexo, renda, localização e todos os outros detalhes fundamentais para fazer com que suas ofertas cheguem até o consumidor em potencial. Por isso, vale reservar um tempo para estudar esses anúncios, ver as plataformas mais eficientes para o seu produto e, assim, grantir que seu investimento dê resultados!

2 – Aposte em comunicação e atendimento online

Agora que você já planejou como pretende atrair o público, é a hora da fase dois: atendê-lo! Sabe aquele cliente que gosta de ligar e conversar com o vendedor ou com o dono da loja antes de comprar algum produto? Ou que gosta da compra “olho no olho”? Esse consumidor teve seus hábitos extremamente afetados durante a pandemia e, consequentemente, ficou ainda mais familiarizado com os meios digitais.

Em termos práticos, isso significa mais clientes pesquisando online, fazendo cotações no seu site e acionando você via WhatsApp ― para se ter uma ideia, uma pesquisa publicada pela Panorama Mobile Time em fevereiro de 2020 mostra que pelo menos 76% dos brasileiros preferem usar o WhatsApp para interagir com marcas.

Isso é ótimo, pois toda essa atualização no repertório do consumidor ajuda muito o lojista que quer vender online. Mas há uma contrapartida: você e sua loja precisam se manter constantemente atualizados, colocando ferramentas à disposição do público! Além disso, o espaço virtual precisa funcionar como uma grande vitrine do seu negócio, já que eles se tornaram ainda mais estratégicos para o sucesso das ações promocionais.

Por isso, divulgue ofertas, preços e condições com clareza, atenda os clientes com atenção e procure cultivar um bom relacionamento com eles em tempo real! Quem pode esperar envia e-mail: WhatsApp deve sempre ser sinônimo de agilidade!

3 – Explore a base de clientes

Investir no marketing digital para a Black Friday é, sim, uma forma de aumentar os lucros, mas não se trata apenas disso! Não esqueça que a data também é uma excelente oportunidade para alcançar novas pessoas e reatar o relacionamento com clientes antigos, aumentando o engajamento e a notoriedade da sua loja virtual.

Para o comércio eletrônico, uma boa estratégia é criar conteúdos personalizados e páginas especiais atreladas ao site, sempre com alguma ferramenta capaz de coletar e-mails e dados dos seus clientes em potencial, facilitando o relacionamento e ampliando o seu trabalho de divulgação.

E se você já possui uma boa base de dados, não esqueça de incluí-la nas suas estratégias: dispare e-mails criativos e chamativos com promoções, ofertas e informações transparentes sobre sua campanha de Black Friday. Tenha em mente que seus clientes precisam saber de todas as suas ações para o presente e o futuro.

Por isso, ofereça sempre clareza sobre datas e horários de início e fim do período promocional, porcentagem de descontos, formas de pagamento, novos produtos e prazos de entregas. Ah, pode explorar a sua base de e-mails, mas não esqueça de fazer isso com moderação: nada de spams e disparos para endereços aleatórios ― lembre-se que agora temos a LGPD!

4 – Divulgue e invista na variedade de meios de pagamento

Que atire a primeira pedra quem nunca desistiu de uma compra ao se deparar com uma fila imensa. Esse é um comportamento muito natural, especialmente se considerarmos que, cada vez mais, o consumidor busca praticidade. E para o e-commerce, as expectativas só aumentam: as transações online precisam ser rápidas e seguras.

Preencher longos formulários, não encontrar meios de pagamento suficientes, esperar a aprovação ou ter a compra online recusada podem ser situações ainda mais frustrante do que esperar na fila de uma loja física. No entanto, esses problemas podem ser facilmente resolvidos se o seu e-commerce contar com soluções de pagamento inteligentes, que oferecem análises de dados sofisticadas e aprovam transações em tempo real.

Por isso, se você quer tirar o máximo de proveito da Black Friday, investir em métodos de pagamento versáteis e eficientes é um passo indispensável, ainda mais se levarmos em conta o fato de que todo esse investimento pode ser facilmente transformado em marketing. Afinal, você pode aproveitar suas campanhas em redes sociais e e-mails para divulgar que sua loja virtual conta com opções de pagamento rápidas e seguras, aumentando ainda mais as chances de cativar o consumidor e garantir a satisfação dele!

Wirecard: a parceria ideal para ter sucesso na Black Friday

Respeitar o cliente e reservar tempo para montar um bom planejamento de marketing digital para a Black Friday são, basicamente, os pilares para garantir o sucesso do e-commerce durante o evento. Com isso e seguindo as nossas dicas, com certeza você vai conseguir fechar o seu novembro em grande estilo, com tudo o que é necessário para vencer os desafios desta data tão importante para o calendário comercial.

E na hora de somar tudo isso a uma poderosa solução de pagamentos, conte sempre com a Wirecard! Aqui, você conta com uma parceria estratégica que oferece todas as ferramentas que o seu e-commerce precisa para se destacar da concorrência e fidelizar a clientela! Além disso, nossa solução conta com sistema antifraude com análise automática e manual e com ferramentas de checkout transparente que vão fazer a diferença no seu faturamento. Acesse nosso site, conheça melhor os produtos da Wirecard e descubra como podemos transformar o seu e-commerce! Ah, e se você tiver alguma dúvida, entre em contato com a gente! Nossa equipe está pronta para atendê-lo e responder todos os seus questionamentos.

Logística na Black Friday: Entenda a influência e como usá-la a seu favor

Em 2019, a Black Friday se consolidou como a principal data sazonal para o e-commerce brasileiro, faturando R$ 3,21 bilhões, superando o Natal, que somou R$ 2,60 bilhões. Esse é um bom resultado, porém, traz inúmeros desafios para os lojistas, como lidar com a questão das entregas. Por isso que falar sobre a logística na Black Friday e como usá-la a favor do negócio se torna um assunto obrigatório nessa época do ano. 

Especialmente porque, segundo uma pesquisa realizada pela empresa de transportes e entregas global UPS, uma das principais razões para o consumidor abandonar o carrinho de compras é o tempo de entrega muito longo e o frete muito caro. Então, nada mais estratégico do que reverter essa situação e usar a logística como um diferencial para conquistar e fidelizar os clientes, certo?

E só para esclarecer, o processo logístico não se resume à expedição e entrega do pedido. Ele tem início bem antes. Falando especificamente da logística na Black Friday, podemos dizer que começa lá no planejamento das ações para a data promocional, quando você decide em qual mix de produtos seu e-commerce vai apostar como linha principal, se será necessário repor o estoque ou não e daí por diante.

O processo final, aquele em que a mercadoria é embalada, colocada no caminhão e entregue ao cliente, é só o encerramento do ciclo. É claro que se trata de uma etapa extremamente importante, pois é a que causa a real satisfação ao consumidor. No entanto, ela só vai ocorrer do modo certo se tudo o que vem antes for organizado com eficiência.

Com base nisso, listamos algumas dicas para você aproveitar a logística como uma oportunidade de melhorar os resultados do seu negócio na Black Friday. Siga com a gente e avalie o que faz mais sentido para o seu e-commerce!

Como usar a logística na Black Friday a favor do seu negócio

Diante de tudo o que falamos até aqui, você já percebeu que não pode deixar os processos logísticos de lado durante o planejamento das ações e a organização do seu negócio para a Black Friday, certo? Por isso, elencamos diversas recomendações que têm a logística sempre presente, às vezes como protagonista — às vezes como coadjuvante — para você entender na prática como ela pode influenciar os resultados do seu negócio. Confira!

1 – Faça o planejamento das suas vendas

Para aumentar o lucro do seu e-commerce, você vai precisar se planejar, não há outro caminho. Por isso, não deixe para resolver tudo nas vésperas do dia 27 de novembro. Comece o quanto antes! Nesse período de organização, foque suas energias em estruturar a equipe e o estoque, rever as condições dos canais de venda e investir em campanhas de divulgação sobre o que o seu negócio está preparando para a Black Friday.

Para facilitar alguns processos, você pode usar o histórico de vendas para analisar quais são os produtos mais procurados e os mais vendidos para explorar durante o período promocional, pois eles têm maior potencial para a lucratividade. Aqui também é o momento de fazer os cálculos para definir quais mercadorias terão descontos, de quanto serão e como vão ser aplicados.

Não esqueça de planejar as compras e negociar preços e condições com os fornecedores, afinal, não adianta nada ter uma super estratégia de vendas, com campanhas de marketing rodando em vários lugares, se na hora de fechar negócio o produto não estiver disponível, não é mesmo? E, claro, organize a logística para que não haja falhas na expedição e entrega. Nada pior para o consumidor do que esperar por sua mercadoria em um determinado dia e ela não chegar.

Com um planejamento bem feito, os outros passos ficam um pouco mais fáceis. Porém, isso não significa que eles devem ser realizados de qualquer jeito. Pelo contrário: quanto mais dedicação, melhores serão os resultados.

2 – Controle o seu estoque

Uma etapa fundamental na organização da logística na Black Friday é fazer o controle de estoque. Como se espera uma velocidade alta de vendas, é necessário ter em mãos um inventário completo antes da data para analisar as quantidades exatas que a empresa possui de cada item. Com isso e as informações levantadas no planejamento, o setor de compras saberá o que é preciso repor e o prazo que tem para fazer os pedidos. 

Toda essa análise de dados e a organização minuciosa são essenciais para ter sucesso na Black Friday, já que as informações estudadas contribuem para reduzir os riscos de faltar ou sobrar produtos no estoque.

3 – Tenha frete e prazos bem estabelecidos

Nunca deixe para pensar no valor do frete e nos prazos de entrega na última hora. Lembre-se que assim como o seu e-commerce está se preparando para a Black Friday, as outras lojas virtuais e as próprias empresas transportadoras também estão. Tirando os Correios, que tem uma tabela padrão, com todos os outros serviços de entrega você pode negociar as melhores condições para oferecer aos seus clientes.

Batemos nessa tecla porque é muito comum que os consumidores se sintam enganados por falsas promoções neste período. Então, apresentar um frete dentro da realidade e um prazo razoável junto com uma boa oportunidade de compra pode ser o incentivo final para o fechamento de uma venda.

Por esse motivo, deixe tudo planejado e acordado com as empresas transportadoras para que o seu negócio não tenha prejuízo quando o assunto for o transporte de mercadorias. Uma última dica aqui é sempre estipular um prazo com folga, assim, evita-se o risco de atrasos e reclamações. E se o produto chegar antes na casa do cliente, você ainda sai ganhando, pois conquista sua confiança e satisfação.

4 – Prepare sua loja para a alta demanda

Essa preparação começa lá na infraestrutura do e-commerce, que precisa suportar o aumento de acessos e sustentar esse volume, se necessário, ao longo de todo o período promocional, e vai até a logística, que tem que estar preparada para atender pedidos nos mais variados cantos do país, inclusive locais onde nunca tenha chegado antes.

Faça um treinamento específico com toda sua equipe, do suporte ao atendimento, da pré-venda ao pós-venda, afinal, estamos falando da principal data do comércio, o que já exige um tratamento especial. E como nosso foco é a logística na Black Friday, garanta que os responsáveis por estoque, expedição e transporte estejam preparados para essa maratona de vendas e assegure que eles tenham as melhores ferramentas para trabalhar.

5 – Deixe a área de transportes organizada

Quando falamos em assegurar as melhores ferramentas para a área de transportes, estamos falando especificamente da frota. Se o seu e-commerce possui logística própria, esse é o momento de verificar as condições e realizar a manutenção dos veículos que farão seus produtos chegarem até seus clientes. Essa é a maneira de garantir que os pedidos serão atendidos dentro dos prazos.

Caso a logística na Black Friday seja terceirizada, como já falamos, você precisa se apressar para negociar com as empresas transportadoras. Porém, não deixe a pressa lhe empurrar qualquer parceria. Escolha aquelas que fazem entregas com segurança e não têm medo de investir em tecnologia, como rastreamento e monitoramento de cargas. Os consumidores gostam de saber onde suas mercadorias estão e oferecer esse serviço pode ser um diferencial.

Conte com a Wirecard para ter sucesso na Black Friday

Reconhecer a importância da logística na Black Friday como ferramenta para a conquista e fidelização de clientes, bem como para a melhora dos resultados, é o primeiro passo para transformá-la em um processo organizado e produtivo. Seguindo as nossas dicas, com certeza você chegará ao dia 27 de novembro preparado para enfrentar os desafios desta data tão importante para o calendário comercial brasileiro.

No entanto, não esqueça das outras áreas do seu comércio eletrônico, como as soluções de pagamento. E para isso, conte sempre com a Wirecard! Nós temos as melhores soluções para ajudar você a preparar o seu e-commerce para a Black Friday 2020. Contamos com um sofisticado sistema de gestão de risco e antifraude com análises automática e manual, além de uma ferramenta de checkout transparente que pode aumentar as conversões da sua loja online em até 30%.

Para conhecer melhor o nosso sistema, basta acessar este link. Esperamos que o artigo ajude você a preparar o seu e-commerce para a Black Friday 2020 e, qualquer dúvida, já sabe: entre em contato com a gente! Nossa equipe está pronta para atendê-lo e responder todos os seus questionamentos.

Abandono de carrinho: veja 5 maneiras de reverter essa situação

Não bastasse os desafios do empreendedor para fazer os clientes chegarem ao seu e-commerce e visualizarem seus produtos, ele também precisa lidar com uma questão que tira o sono de quem trabalha com o comércio eletrônico: o abandono de carrinho. E esse preocupação toda tem um bom motivo: pesquisas apontam que cerca de 70% dos compradores abandonam as compras antes da conclusão, sendo os custos extras um dos principais motivos.

Mas não é somente as taxas que aparecem ao fim da negociação, como o custo do frete, que fazem o consumidor desistir de uma aquisição. A empresa de transportes e entrega global UPS, realizou uma pesquisa na qual encontrou mais razões para o abandono de carrinho, sendo as principais:

  • Tempo de entrega muito longo: muitas pessoas não estão dispostas a aguardar semanas para receber um pedido e acabam desistindo da compra. Às vezes, isso ocorre porque o consumidor precisa do produto antes do prazo estimado.
  • Item esgotado: ainda há e-commerces que insistem em não deixar claro que um produto está esgotado logo na vitrine, decepcionando o cliente no checkout. Essa desistência é uma das piores, pois pode ser também um abandono da marca.
  • Pagamento preferencial não disponível: quanto mais meios de pagamento você disponibilizar, mais chances o seu e-commerce tem de vender. Lembre-se que nem todos tem acesso a cartão de crédito ou querem usá-lo.

Mas nem tudo está perdido. É possível reverter essa situação e recuperar boa parte dos carrinhos abandonados. Venha com a gente e veja algumas ações que podem ser feitas para reconquistar os seus clientes!

Soluções para reverter o abandono de carrinho

Sem muita enrolação, listamos aqui 5 soluções para você reverter o abandono de carrinho. Algumas podem ser implementadas de forma mais imediata no e-commerce, como a inclusão da ferramenta para o cálculo de frete, outras precisam de um pouco de análise, como mudanças na forma de cobrar pelo envio. E ainda existem aquelas que dependem de terceiros, como a inclusão de novas formas de pagamentos.

Porém, todas elas são totalmente possíveis de serem incorporadas à sua loja online e trazerem muitos benefícios. Confira!

1 – Reveja suas estratégias de frete

Sabendo que o valor do frete pode interferir no checkout, é essencial rever as estratégias de cobrança. Se for possível para o seu e-commerce, ofereça frete grátis. Se não for, é necessário que isso fique claro para o consumidor. Uma boa alternativa é colocar a ferramenta para o cálculo do frete nas páginas dos produtos, assim, o comprador pode verificar o valor do envio junto com o do produto. Uma comunicação honesta é sempre bem-vista pelos clientes.

Uma opção que está sendo bastante usada para equilibrar a situação é garantir o frete grátis para compras a partir de um determinado valor. Conforme o comprador vai incluindo itens no carrinho de compras, um indicador vai apontando quanto falta para atingir a meta. Quando chegar ao valor necessário, ele mostra que, a partir daquele momento, o frete é grátis! Além de construir uma relação mais justa e transparente com o consumidor, você ainda tem a oportunidade de vender mais!

2 – Trabalhe com entrega rápida

Como vimos, o tempo de entrega também é um dos principais fatores que influenciam no abandono de carrinho, por isso é preciso dar atenção especial para ele. Assim como no caso do frete, mantenha uma comunicação clara sobre os prazos, mas trabalhe sempre para ser o mais ágil possível ― nada cativa mais o consumidor do que receber um produto antes do esperado, fique certo disso!

Então, ofereça diferentes maneiras de entregar a mercadoria, como Correios e transportadora. Se estiver na mesma cidade, aposte em serviços de motobikes e mototáxis, por exemplo. Muitas vezes, uma boa alternativa é deixar o próprio comprador escolher o tipo de transporte, mostrando o tempo de espera e os valores conforme as opções disponíveis.

3 – Retire obstáculos do caminho do cliente

O consumidor online quer praticidade e, com certeza, um formulário enorme não traz isso, certo? Então, quanto mais você puder facilitar para ele, melhor. Foque no que é extremamente necessário para o momento: nome completo, CPF, endereço de entrega e cobrança, e-mail e telefone de contato. Assim, ele pode passar para o pagamento sem perder o interesse pelo produto

Aqueles outros dados que vão fazer você conhecer melhor o cliente, como data de nascimento, preferências de consumo, quantas vezes já comprou online, entre outros, podem ser adquiridos com o tempo, por meio de campanhas de e-mail marketing, por exemplo. Assim, você pode explicar o motivo de estar perguntando, oferecer uma compensação, com um cupom de desconto e ir criando uma afinidade de forma mais tranquila, sem a pressão de uma compra.

4 – Facilite o checkout

Na esteira do formulário, temos o checkout. Da mesma forma que o comprador quer um cadastro sucinto, ele também quer finalizar sua compra da maneira mais rápida e prática possível. Nada de ficar repetindo informação, trocando de páginas, saindo do seu e-commerce para outro site de pagamento. Facilite o checkout, caso contrário, ele vai procurar quem o faça.

A melhor forma de fazer isso é apostar no Checkout Transparente, uma tecnologia desenvolvida para facilitar as transações feitas em um e-commerce, de maneira segura, rápida e inteligente. Com ela, os clientes conseguem:

  • Fazer o pagamento totalmente no site ou loja online: o cliente fica no ambiente do e-commerce ou site durante todo o processo de compra, sem a necessidade de cadastro ou páginas intermediárias de pagamento.
  • Comprar com apenas 1 clique: na primeira compra, é possível optar por salvar os dados do cartão de crédito. Dessa forma, nas próximas aquisição, não é preciso digitar todos os dados de pagamento novamente. Isso torna o processo de compra muito mais simples e ágil.

Para saber mais sobre o Checkout Transparente, clique aqui e leia um artigo que fizemos especialmente sobre o assunto em nosso blog!

5 – Dê opções de pagamento variadas

A falta de pluralidade na hora de escolher o meio de pagamento é outro grande responsável pelo abandono do carrinho. Então, cuidar desse item deve estar entre as prioridade, especialmente porque, em alguns casos, implementar novas opções de pagamento dependem de negociações e liberações de terceiros.

Cartão de crédito é obrigatório, com no mínimo as bandeiras principais: Visa, Mastercard, Elo, Hipercard, American Express. Para você ter uma ideia, só essa forma de pagamento movimentou R$ 323,5 bilhões no e-commerce em 2019. Tente negociar com seus fornecedores as melhores condições para poder oferecê-las aos clientes.

Além dele é importante disponibilizar também cartão de débito, débito em conta e transferência bancária. Para aqueles que preferem não envolver o banco, é fundamental dar a alternativa do boleto. E não esqueça das carteiras digitais, como Apple Pay e Mercado Pago.

Com essas 5 ações, é possível reverter boa parte do abandono de carrinho e fazer com que os rendimentos do seu e-commerce cresçam. Porém, nem sempre a compra não é finalizada porque o consumidor desistiu. Pode acontecer o que chamamos de transação cancelada.

Como lidar com uma transação cancelada?

Ter uma transação cancelada é frustrante tanto para o comprador quanto para o lojista. No entanto, muitas vezes ela é necessária, pois envolve uma suspeita de fraude. Aqui no blog, já explicamos em detalhes os motivos para o cancelamento de uma compra. Agora, vamos mostrar que isso não é o fim da linha e que é possível recuperar parte desses clientes.

É claro que aqueles contatos que ficam registrados como sendo das transações canceladas por motivo de fraude devem ser abandonados. Ou melhor, você pode criar um banco de dados com eles para ter sempre um sinal de alerta quando eles surgirem novamente na sua loja online. Assim, fica fácil saber para quem não vender.

Já os outros clientes, especialmente os que tiveram as compras canceladas pela operadora do cartão por um preenchimento errado ou por um valor que não condiz com os hábitos de consumo, devem ser procurados. Entre em contato, de uma forma amigável, para saber o que aconteceu e ofereça ajuda. Lembre-se de que, todos os dias, novos consumidores ingressam no mundo das compras online e nem sempre sabem como ele funciona.

Pode ser que o seu comprador tenha tido a transação cancelada e nem saiba exatamente por que e nem como resolver. Essa é a sua chance de orientá-lo e mostrar que a sua marca é mais do que um catálogo em um site. Pode ter certeza que ele nunca vai esquecer sua ajuda e na hora de comprar novamente, é do seu nome que ele vai lembrar primeiro.

Outra maneira legal de agir com esse cliente é manter as mesmas condições de preço e pagamento do momento da transação cancelada. Dessa forma, ele pode sentir que não foi prejudicado pelo cancelamento e você consegue fechar a venda. Todos ganham, certo?

Bom, para poder fazer todas as ações que citamos neste artigo e garantir um atendimento de excelência ao cliente, é preciso contar com soluções que possibilitem isso, como as que são oferecidas pela Wirecard. Uma delas nós já citamos ao longo do texto: o Checkout Transparente, que garante uma taxa de aprovação de vendas online de até 98,5%.

Mas não é só isso. Nós também temos uma solução completa de pagamento para a sua loja online, que aceita todas as formas de pagamento, tem serviços financeiros integrados para a administração do seu negócio e ainda oferece uma robusta tecnologia para gestão de risco de antifraude com análises automática e manual.

Tudo isso para que você recupere o máximo de clientes possível e torne os resultados do seu e-commerce cada vez mais positivos! Acesse o nosso site e saiba mais sobre as nossas soluções. E se você tiver alguma dúvida, entre em contato com a gente. Nossa equipe está à disposição para ajudar!

Como preparar o e-commerce para a Black Friday 2020? Confira 6 dicas valiosas

A gente nem precisa repetir que 2020 é um ano diferente, que está exigindo muito jogo de cintura de todo mundo, certo? Porém, algumas datas comerciais seguem firmes no calendário e precisam ser trabalhadas com bastante cuidado para trazerem algum alívio para o caixa. Por isso, saber como preparar o e-commerce para a Black Friday é um assunto que deve ser discutido desde agora.

O dia já está marcado: 27 de novembro, a última sexta-feira do mês. E pode até parecer que ainda está longe de acontecer, mas para uma data que já é considerada o principal evento varejista do país, segundo a Sociedade Brasileira do Varejo e Consumo (SBVC), quanto mais cedo o e-commerce se planejar para a Black Friday 2020, melhor.

Então, como já é costume aqui no blog, desenvolvemos um conteúdo especial para auxiliar você neste momento. Siga com a gente e confira!

Black Friday 2020: 10 anos do evento no Brasil

Conforme a SBVC, esta será a maior edição da Black Friday no Brasil, mas as empresas precisam estar prontas para suprir a demanda, tanto em termos tecnológicos quanto comerciais, e para fidelizar clientes. Para você ter uma ideia, em 2019, o faturamento foi de R$ 3,2 bilhões, 23,6% maior do que em 2018.

Contudo,  o contexto das vendas será bastante diferente este ano. Espera-se uma migração ainda maior das lojas físicas para as lojas online. Uma pesquisa da Globo com cerca de 1.700 consumidores apontou que 7 entre 10 internautas deixaram de comprar algo em 2020 por causa da pandemia, mas que veem na Black Friday uma oportunidade para comprar mais barato.

O estudo ainda mostrou outros números interessantes, como a afirmação de 42% dos entrevistados de que vão comprar algo de qualquer jeito e de que 51% deles vão priorizar as marcas que fizeram algo positivo durante a pandemia. E, ainda, que 78% dos consumidores mudariam de ideia em relação a uma compra, se ajudasse a manter empregos.

Sobre as áreas que devem se destacar, a SBVC acredita que a generalização de produtos se manterá como tendência. Porém, os bens duráveis seguem como os favoritos. Isso significa que ainda haverá aquelas pessoas que se planejam para comprar eletroeletrônicos e móveis, por exemplo, mas também aquelas que vão adquirir roupas, sapatos e produtos de beleza. A pesquisa da Globo expressou isso muito bem em números. Veja:

  • 31% – roupas e acessórios
  • 30% – smartphones
  • 30% – eletrônicos
  • 26% – calçados
  • 23% – eletrodomésticos
  • 21% – perfumes e cosméticos
  • 21% – móveis
  • 20% – computadores

Diante dessa generalização de tendências, a necessidade de preparar o e-commerce para a Black Friday é ainda maior. Afinal, mais  do que aproveitar o momento para ampliar as vendas, o objetivo também é atender aos consumidores de uma maneira que eles fiquem satisfeitos para retornarem à sua loja nos próximos meses.

Como preparar o e-commerce para a Black Friday

Entendido o contexto e os desafios que vêm pela frente, está na hora de fazer todos os ajustes para chegar com tudo pronto ao dia 27 de novembro. Aqui, separamos ações práticas para você preparar o e-commerce para a Black Friday e atender aos clientes com excelência. Aproveite!

1 – Tenha fornecedores parceiros

Seu fornecedor precisa ser seu parceiro! Esse deve ser um lema do seu e-commerce, especialmente para momentos como a Black Friday, quando você pode extrapolar os pedidos mensais. O primeiro passo aqui é negociar os preços e tentar conseguir o máximo de descontos possível, assim dá para repassá-los aos consumidores e aumentar as chances de vender.

Essa negociação pode ser feita de várias formas, desde a realização de um pedido maior até a cessão de uma porcentagem das vendas dos produtos. Então, não adie essa conversa. Por mais que os fornecedores sejam parceiros, eles não vão conseguir oferecer descontos para todos. Quem chegar primeiro e com a melhor proposta garante mais chances de fazer um bom negócio.

2 – Mantenha um checkout transparente

Aliado à forma de pagamento está o checkout, pois de nada adianta dar as melhores opções para o cliente pagar se, no momento de preencher as informações para finalizar a compra, o processo se torna um bicho de sete cabeças. Uma pesquisa do instituto americano Forrester Research mostrou que 11% dos consumidores online que abandonam o carrinho fazem isso devido a um processo de checkout complicado.

Por isso, se a sua loja online ainda não conta com um sistema que proporciona um checkout transparente, ainda dá tempo de pesquisar e instalar um. Dessa forma, você garante que seus clientes tenham o melhor atendimento do começo ao fim do processo de compra e assegura que o seu e-commerce não interrompa o fluxo de vendas, tendo, assim, um bom faturamento na Black Friday 2020.

3 – Faça uma revisão da usabilidade e da estabilidade da loja online

Com a parte das mercadorias resolvida, está na hora de olhar para o e-commerce em si, para sua infraestrutura e usabilidade. Esse é um passo fundamental para garantir um bom desempenho na Black Friday. Verifique se há problemas de navegação, se o layout não está quebrando, se a atual plataforma suporta um alto volume de acessos, se o carregamento está rápido…Em 2019 vimos casos de lojas online que tiveram problema de estabilidade com o processamento de pagamentos e consequentemente perdas de vendas. Confie seu negócio e suas vendas a parceiros como a Wirecard Brazil, que tem uma das melhores disponibilidades sistemicas para grandes volumes de transação.

Diante desta que é considerada a principal data comercial do ano, a infraestrutura do seu site não pode ser um gargalo para o sucesso do seu negócio. É preciso ter qualidade para suportar os picos de acesso. Por isso, se necessário, invista na ampliação e no reforço da infra do seu e-commerce. Muitas vezes é preciso gastar um pouco primeiro para lucrar mais depois.

E, claro, faça todas as análises executáveis agora, quando ainda é possível mudar alguma coisa. No dia 27 de novembro, se algum problema acontecer, dificilmente você vai conseguir resolvê-lo naquele momento. Não esqueça que uma loja online com problema não passa confiança e faz com que o cliente desista da compra, por mais que a oferta seja tentadora.

Isso vale, inclusive, para a questão da segurança. É necessário proporcionar um ambiente seguro para o cliente comprar e também é preciso garantir que o seu e-commerce não vai sofrer com algum golpe. Para evitar qualquer problema nessa área, trabalhe sempre com provedores e softwares reconhecidos no mercado e, sempre que necessário, reforce as barreiras contra invasores.

4 – Invista no mobile

Sua loja tem versão mobile? Se você ainda não pensou nisso, está mais do que na hora de agilizar esse processo. A Black Friday 2019 confirmou a tendência do consumidor de comprar a partir de dispositivos móveis. Segundo dados da Ebit Nilsen, 55% dos pedidos foram feitos por celular. Na comparação com 2018, temos uma alta de 103%.

A expectativa é que, para este ano, a aquisição via mobile seja ainda maior. Portanto, mais do que nunca, é necessário vender online usando plataformas responsivas ― isso é, ter uma loja em que a plataforma se adapte ao formato dos smartphones, sem perder a qualidade de navegação e, com isso, colocar em xeque a experiência do usuário.

5 – Ofereça várias opções de pagamento

Se você cuidou de tudo até aqui, não é na hora do fechamento do negócio que você vai decepcionar o seu cliente, certo? Então, ofereça diversas formas de pagamento no e-commerce, principalmente na época da Black Friday, quando mais pessoas acabam comprando. Insistir em apenas uma ou duas pode ser um erro e comprometer o bom faturamento esperado para a data.

Por isso, garanta que a solução de pagamento que você utiliza disponibilize, pelo menos, as formas de pagamento mais usadas pelos seus consumidores. O cartão de crédito, com sua variedade de bandeiras, segundo a pesquisa da Globo, é o preferido de 67% das pessoas. Mas também temos o boleto bancário, o débito em conta, a carteira digital, entre outras alternativas.

6 –  Fique atento ao estoque e à logística

Ligados ao fornecedor, temos o estoque e a logística. Todo comércio eletrônico precisa acompanhar de perto a quantidade do que tem armazenado e fazer o controle de suas entregas. Porém, durante a Black Friday, esses elementos precisam trabalhar em perfeita sintonia para fornecer um serviço de excelência ao consumidor.

Para começar, é fundamental ter um estoque preparado para atender a alta demanda da data . A regra é nunca vender além do limite estocado, a não ser que você tenha negociado com o fornecedor com antecedência e consiga garantir que tudo será entregue no prazo acordado com o cliente. Aqui, aquela parceria com o fornecedor é imprescindível.

Outro ponto que envolve o estoque é aproveitar para liquidar os produtos que estão parados. Se você tem itens que simplesmente não vendem, baixe o preço ao máximo e aproveite para fazer o dinheiro girar no caixa. Pode ser, inclusive, pelo preço de custo, pois produto parado no estoque só dá prejuízo. Assim, o melhor é se livrar dele logo.

Em relação à logística, é preciso escolher aqueles serviços de entrega que melhor atendem as regiões para as quais você vende. Nessa Black Friday, o frete ganhou maior destaque por conta da pandêmia, afinal, elas passaram a comprar mais online e tem cada vez mais a expectativa de receber rapidamente seus produtos, nem que para isso paguem um pouco mais caro, portanto, faça parcerias com transportadoras especializadas, que entendem as particularidades do seu e-commerce. Lembre-se também que há locais que são atendidos somente pelos Correios, então é essencial dar essa opção ao consumidor para não perder nenhum negócio.

Conte com a Wirecard para preparar o e-commerce para a Black Friday

Nós temos as melhores soluções de pagamento para ajudar você a preparar o e-commerce para a Black Friday 2020. Garantimos uma taxa de aprovação de vendas online de 98,5%, uma das maiores do país! Além disso, asseguramos uma venda com baixo risco, graças ao nosso sofisticado sistema de gestão de risco e antifraude com análises automática e manual.

Junto à solução de pagamento, desenvolvemos também uma ferramenta de checkout transparente capaz de aumentar em até 30% as conversões da sua loja online. Para conhecer melhor o nosso sistema, basta acessar este link.

E, claro, se precisar de auxílio com outros temas para a Black Friday, como marketing, vendas, pós-venda e promoções, você pode acessar outros artigos que fazem parte do portfólio do nosso blog:

Esperamos que estes artigos ajudem você a preparar o e-commerce para a Black Friday 2020 e, qualquer dúvida, já sabe: entre em contato com a gente! Nossa equipe está pronta para atendê-lo e responder todos os seus questionamentos. Reforçamos nosso compromisso com os clientes e deixamos nosso time à disposição para auxiliar você nesse momento!

Google Ads para e-commerce: o caminho para fazer uma campanha de sucesso

Com resultados positivos nos últimos anos ― só em 2019, segundo a 41ª edição do WebShoppers, cresceu 16% em relação a 2018 ―, a previsão é que o comércio eletrônico se consolide de vez com a pandemia do coronavírus. Por isso, os negócios online precisam estar preparados para investir e se destacar. Uma forma de fazer isso é por meio de campanhas de Google Ads para e-commerce.

Para ajudar você nesse desafio, criamos um tutorial de como fazer esse tipo de campanha, com todas as informações e detalhes necessários para a criação de um anúncio de sucesso. Siga com a gente e confira!

E-book

E-commerce de assinaturas – Tudo o que você precisa saber sobre esse modelo de negócio

Seja para clientes que querem mais comodidade nas compras recorrentes, seja para consumidores que desejam itens exclusivos, o e-commerce de assinaturas tem se mostrado um grande diferencial.

Baixar e-book

Como fazer uma campanha de Google Ads para e-commerce

Acompanhe o nosso passo a passo para começar uma campanha de Google Ads agora mesmo:

1º passo: Crie uma conta no Google Ads

Para começar a anunciar, você pode utilizar uma conta que já tem no Google ou cadastrar uma nova somente para gerenciar a publicidade do seu e-commerce. É importante definir a forma de pagamento que você pretende utilizar, sendo possível trocá-la sempre que necessário. Hoje, o Google Ads disponibiliza o pagamento em boleto, cartão de crédito e pelo Mercado Pago.

2º Passo: Defina os objetivos

Para montar uma campanha de Google Ads para e-commerce, listar os objetivos é o princípio mais básico de todos. Então, escolha os produtos que deseja anunciar, qual público quer atingir, quais são as metas de venda, quanto tempo vai durar a ação e qual será o investimento disponível.

Ao definir os produtos que farão parte da campanha, você já pode criar alguns instrumentos que serão usados nas campanhas. Veja alguns deles:

  • Landing pages (LPs): se a proposta da campanha é promover determinados tipos de produtos, crie LPs específicas para eles. Dessa forma, os usuários serão direcionados exatamente para o anúncio sem precisar pesquisar, evitando assim que se distraiam com o restante do site. Garanta, no entanto, que a LP tenha um forte apelo à ação.
  • CTAs: para assegurar que esse chamado à ação funcione, devem entrar em cena os CTAs, que são os botões que levam o usuário para mais perto do fechamento do negócios, como os de Compre, Experimente e Assine.

3º passo: Impacte seu cliente

Com os objetivos e as landing pages definidas, está na hora de focar no público que será impactado pela sua campanha. Para isso, você precisa saber para quem está segmentando, usando palavras-chaves relevantes, e como afetar essas pessoas com uma mensagem forte.

As palavras-chaves do Google Ads para e-commerce precisam abordar cada fase da jornada do comprador, serem específicas sobre o seu produto e fazerem referência à sua LP. O ideal, sempre que possível, é ter uma lista entre 10 e 20 palavras-chave para cada produto que você vai anunciar. Dessa forma, os resultados da sua campanha serão muito melhores.

Para quem ainda não está muito acostumado com esse processo, o próprio Google tem uma ferramenta de planejamento de palavras-chave: o Keyword Planner (gratuita para quem tem conta no Google Ads). Com ela, você consegue achar novos termos para serem usados nos anúncios e também avaliar buscas mensais feitas por uma palavra, além da concorrência por ela. Quanto mais alta a concorrência, mais caro será o anúncio ― falaremos sobre valores daqui a pouco.

Em relação às mensagens, não espere o momento de cadastrar a campanha para pensar nelas. Do mesmo modo que parou para construir as landing pages e os CTAs e para listar as melhores palavras-chaves, tire um tempo para escrevê-las. Foque em destacar sua proposta de valor, aquilo que o diferencia da concorrência e que mais vai chamar atenção do seu público.

4º passo: Estabeleça o orçamento e as formas de anunciar

Podemos dizer que chegamos ao último passo referente à parte mais estratégica de uma campanha de Google Ads para e-commerce: a definição do orçamento. Também é uma parte que está diretamente ligada aos objetivos da ação, pois o investimento depende da quantidade de pessoas que se pretende alcançar ou do volume de produtos que quer vender.

É importante ter claro que você pode começar com um valor baixo e ir aumentando conforme o desempenho dos resultados. Dessa maneira, é possível investir o seu dinheiro de forma cautelosa, buscando a otimização do ROI.

Para definir o valor do orçamento, também é preciso determinar qual será o lance escolhido para cada anúncio, ou seja, de que modo pretende pagar pela sua campanha. O Google Ads usa quatro formas para calcular esses custos:

  • CPC (custo por clique): é a opção em que você paga por cada clique que ocorre em seu anúncio. Normalmente é usado para campanhas que têm o objetivo de levar um grande números de usuários para a página de destino (landing page do produto, por exemplo). É um dos lances mais usados, pois costuma trazer mais retorno.
  • CPM (custo por mil impressões): é utilizado, geralmente, quando o objetivo é a mensagem ser vista por um grande número de pessoas. Neste caso, o anunciante só paga quando o anúncio recebe mil impressões (visualizações), independentemente do número de cliques.
  • CPA (custo por aquisição ou custo por ação): é usado para aumentar a execução dos objetivos da campanha, podendo ser uma compra, um download, uma inscrição, entre outros. O anunciante somente vai pagar quando o usuário fizer a ação determinada na landing page, por exemplo.
  • CPV (custo por visualização): este é um lance usado para campanhas que utilizam vídeo. A cobrança ocorre somente quando o vídeo é assistido.  
E-book

Da loja física para o e-commerce: Como ter sucesso nessa expansão

Esse mercado tem conquistado cada vez mais a preferência dos consumidores e aumentado os rendimentos dos lojistas ano após ano. De 2011 a 2018, o faturamento do setor cresceu R$ 34,5 bilhões — e as previsões para o futuro são ainda mais animadoras!

Baixar e-book

5º passo: Configure a campanha do Google Ads para e-commerce

Agora que já estamos com as questões estratégicas resolvidas, está na hora de irmos para a ferramenta e colocarmos mãos à obra. Se você nunca trabalhou com o Google Ads, fique tranquilo, pois ele é bem intuitivo. Caso preciso, há menus com ajuda e textos bem explicativos. Mas com esse nosso artigo, você vai tirar de letra, temos certeza.

Então, acesse a sua conta, vá até a guia Campanhas e clique no botão com o sinal de mais (+) para criar uma nova. Existem vários tipos de anúncios disponíveis na plataforma. Você deve escolher aquele que melhor se encaixa com a proposta da sua campanha, com os seus recursos e a realidade do seu negócio. Esses são alguns deles:

  • Rede de pesquisa: é o mais comum. É aquele resultado que aparece nas primeiras posições com o aviso de “anúncio” destacado. Acontece quando o anunciante, no lugar de depender do ranqueamento orgânico para um termo, patrocina palavras-chaves específicas no Google para que o seu e-commerce apareça em uma posição de destaque e consiga mais visitas.
  • Google Shopping:  é um serviço que permite a oferta de produtos de sites de compras online, sendo que os consumidores podem ver e comparar os preços mesmo antes de clicar no anúncio e ser direcionado para a página do e-commerce.
  • Rede de display: são os anúncios que podem ser exibidos em outros produtos do Google, como o Youtube, Google Maps, e em sites afiliados à empresa. Uma das grandes vantagens aqui é a possibilidade de fazer esse patrocínio usando elementos gráficos e audiovisuais.
  • Remarketing: é o anúncio que resgata o cliente para o seu e-commerce após a visita inicial. A partir da instalação de um código especial nas páginas dos produtos vendidos na sua loja online, é possível segmentar campanhas de anúncios específicos para as pessoas que saíram da página sem concluir a compra. Dessa forma, o usuário receberá por um tempo um reforço da sua campanha.
  • Anúncios em aplicativos: essa é outra oportunidade de Google Ads para e-commerce. Se a sua loja virtual tem um app, essa pode ser uma ótima alternativa para estimular as pessoas a baixarem e usarem o recurso. Caso ainda não tenha um aplicativo, você divulgar seus produtos em apps de terceiros, relacionados com o seu segmento de atuação.

Com isso entendido, vamos ver as etapas para configurar uma campanha do tipo rede de pesquisa, já é uma das mais comuns e que traz bons resultados.

Etapa 1 – Selecione seu objetivo

Lembrando do objetivo que falamos lá em cima, chegou a hora de pontuarmos ele dentro da plataforma. Antes de selecionar o tipo de campanha, faça a opção do objetivo do seu anúncio com base nos resultados que você deseja alcançar. Se você escolheu um produto e quer ter mais vendas, então deve escolher esse objetivo. Caso seja atrair mais visitantes para seu site, deixe isso claro.

Ao longo do processo, o próprio Google fará recomendações. Analise se elas fazem sentido com tudo o que você planejou. Se a resposta for positiva, você pode acatar. Um bom exemplo são os campos das configurações gerais, que podem ser preenchidos quando você tem informações relevantes para colocar ali.

Etapa 2 – Escolha os locais de destino

Na sequência, é necessário escolher os locais de destino do seu anúncio. É possível incluir e excluir pessoas com base no país, estado, cidade e região. Para segmentar pessoas de determinados países, basta escolher quais deseja e adicioná-los. Isso significa que os usuários das localidades escolhidas verão seus anúncios.

Já se você quer que algumas regiões não tenham acesso a sua campanha, basta digitar o nome do país, estado ou cidade e clicar em excluir.

Etapa 3 – Defina a estratégia de lances

Você já conhece os tipos de lances que podem ser dados, então, é só escolher o que melhor se encaixa com os seus objetivos. Lembre-se, no entanto, que não é necessário começar com o valor máximo do seu investimento. É possível iniciar com uma cota mais baixa, avaliar um período e ir aumentar conforme os resultados.

Etapa 4 – Produza extensões para os anúncio

Antes de criar o anúncio em si, você ainda precisa escrever as extensões de anúncio para a campanha, como sitelinks, frases de destaque e análises de produtos. Essas extensões agregam mais profundidade aos anúncios do que o título padrão e as duas linhas de texto. Segundo o próprio Google, exibir esse tipo de informação adicional aumenta a taxa de cliques em até 15%.

Etapa 5 – Escreva seus anúncios

Quanto mais claros e diretos forem seus anúncios, melhor. No Google Ads para e-commerce, você tem três títulos com 30 caracteres e duas linhas com 90 caracteres cada uma para convencer o público que o seu produto tem mais valor que o do concorrente. Então, aproveite o espaço com inteligência e estratégia. E não esqueça de providenciar uma URL amigável para a sua página, com o nome da sua empresa ou do seu produto bem exposto e legível.

Para que não haja erros, crie sempre de 3 a 5 cinco anúncios para cada um dos grupos de palavras-chaves e faça testes com eles para descobrir qual têm uma performance mais compatível com os resultados esperados. Avaliar é essencial para o sucesso das suas campanhas e nos obriga a ficar de olho no que está dando certo ou não.

6º passo: Acompanhe os resultados

Depois de publicar o anúncio é hora de aguardar os resultados. Monitore o desempenho e busque maneiras de otimizá-lo sempre que possível. Somente desse modo é possível garantir que a estratégia de Google Ads para e-commerce está sendo realmente eficiente e causando o impacto desejado no seu negócio virtual.

Esperamos que este conteúdo seja bastante útil para o seu dia a dia e você possa voltar a ele sempre que tiver dúvidas sobre como fazer uma campanha no Google Ads para seu e-commerce. E, como você já sabe, conte sempre com a Wirecard e nossas soluções de pagamento para seu e-commerce.

Veja como criar uma campanha de marketing digital ideal para o seu e-commerce

A maioria dos empreendedores estava se planejando para o segundo trimestre de 2020 quando tiveram que iniciar um plano muito maior: sobreviver em meio a uma pandemia. Uma das opções encontradas foi aderir ao e-commerce, assim, as vendas poderiam continuar. No entanto, para que a boa experiência prossiga, o ideal é que as empresas desenvolvam campanhas de marketing digital.

Talvez, no primeiro momento, pensar e colocar em prática uma campanha de marketing online não fosse algo essencial. Porém, agora que as coisas estão um pouco mais calmas, é possível pensar e organizar essa estratégia fundamental para qualquer tipo de negócio. Assim, uma iniciativa que surgiu para garantir sua sobrevivência, pode virar uma alternativa real de lucro para a sua marca.

Para você ter uma ideia, 79,1% das casas no Brasil já contam com acesso à internet, o que é um facilitador para as compras online. Além disso, o comércio eletrônico cresce ano a ano. O relatório WebShoppers 41 apontou que o e-commerce cresceu 16% em 2019, em relação a 2018, faturando, aproximadamente quatro vezes mais do que em 2010.

Guia completo das vendas omnichannel
E-book

Guia completo das vendas Omnichannel

Saiba como aumentar as vendas integrando canais físicos e virtuais ao seu negócio

Baixar e-book

Como criar uma campanha de marketing digital?

Uma campanha de marketing digital tem 3 etapas: planejamento, execução e análise. De um jeito mais simples, significa que você vai estudar o que pretende fazer, colocar em prática e, depois, avaliar os resultados para saber se a campanha foi um sucesso. Vamos ver como funciona cada etapa com um pouco mais de detalhe!

1 – Planejamento

O ponto de partida do planejamento é definir o objetivo da campanha, o que você deseja com esse trabalho de promoção do comércio eletrônico. Ele é voltado para a sua marca de forma geral? Ou será focado em um produto ou mix de produtos? Ou ficará no ar por um período sazonal, como uma data comemorativa ou uma estação do ano?

Depois, é importante estabelecer em quais canais a campanha será veiculada e por quanto tempo. Lembre-se que estamos falando de algo determinado, por isso não é legal que fique no ar por um longo período, pois as pessoas podem perder o interesse ou achar que não existe um diferencial. À frente falaremos mais sobre os canais de marketing que podem ser usados.

Na sequência, é fundamental verificar se haverá orçamento disponível para investir, uma vez que é possível fazer ações tanto orgânicas quanto pagas. E para fechar o planejamento, não se esqueça de colocar no papel quais são os resultados que você espera alcançar no seu e-commerce com cada campanha de marketing digital que é lançada.

2 – Execução

Chegou a hora de tirar do papel tudo o que foi planejado. A principal dica aqui é: não invente, siga à risca tudo o que você programou, especialmente se houver dinheiro envolvido. Lembre-se que, apesar das coisas estarem ficando um pouco mais calmas, ainda estamos vivendo um período de incertezas. É importante não exceder limites, mas seguir a estratégia que condiz com o negócio.

Faça tudo conforme o planejamento da campanha de marketing digital e vá acompanhando os resultados.

3 – Análise

Como falamos, a análise começa durante a execução, mas sempre no sentido de monitorar. Caso os resultados estejam muito abaixo daquilo que você colocou no planejamento, pode ser necessário fazer algumas alterações na campanha durante o período em que está no ar. Mas só realmente se preocupe com isso se os números forem muito ruins, pequenas variações são normais.

Após o término da campanha de marketing digital, é o momento de avaliar os resultados finais da ação para saber se o e-commerce alcançou ou não o que foi estipulado no planejamento. Os dados colhidos na análise também podem ser aproveitados como base para novas estratégias e promoções.

A principal dica aqui, para quem está dando os primeiros passos no comércio eletrônico, é fazer uma campanha de cada vez. Então, planeje, execute e analise. Veja o que deu certo e o que pode ser melhorado para somente daí começar a próxima promoção

Canais de marketing que posso usar na minha campanha

Existe uma grande variedade de canais de marketing que podem ser usados em campanhas de divulgação online, mas isso não significa que você precisa usar todos. Você deve escolher aqueles que são mais adequados ao seu tipo de negócio e também ao público que você quer atingir. Não adianta, por exemplo, insistir nas redes sociais, se quem compra da sua empresa não está lá.

A melhor forma de conhecer o seu público é estabelecer personas para o seu e-commerce. Elas são como personagens que reproduzem o perfil do cliente ideal e trazem dados como idade, gênero, classe social, estilo de vida e necessidades de quem seria o consumidor em potencial de uma loja. Para entender, em detalhes, como definir personas para o seu negócio, acesse este artigo!

Conhecendo o seu público, fica muito mais fácil escolher o canais de marketing. No ambiente digital, pode-se destacar:

  1. Redes sociais: As redes sociais conquistaram a atenção dos brasileiros. Estima-se que, no país, 95,2 milhões de pessoas estejam ativas em pelo menos uma rede social. Com certeza, algumas delas, como o Facebook e o Instagram, as mais populares por aqui, são um ótimo canal para o seu e-commerce mostrar presença com conteúdo para se relacionar e adquirir novos contatos.
  2. E-mail: Uma das primeiras ferramentas de comunicação digital, o e-mail ainda conta com sua importância há muito estabelecida. Ele continua sendo usado pela maioria das empresas para se relacionar com os contatos.
  3. Busca orgânica: As ferramentas de busca representam um dos grandes concentradores de audiência da internet. Só o Google concentra, em média, 6 bilhões de buscas por dia. Um dos pontos importantes deste canal é o fato de que, geralmente, o público que pesquisa sobre um assunto em um buscador já sabe o que quer.
  4. Referência: Assim como uma rede social ou um buscador pode trazer público para o seu negócio, outros sites também podem funcionar como um canal de acesso a ele, basta que você seja referenciado. Geralmente, a referência ocorre por meio de conteúdo de sites e blogs, porém, se você tem uma loja virtual bacana ou mesmo uma página no Facebook, esse link pode ser usado para que outros estabelecimentos possam indicar a sua marca.
  5. Tráfego direto: Esse canal representa quem entra diretamente no seu site, sem vir de outra página da internet. Isso significa que a pessoa já conhece o seu e-commerce e digita o endereço no navegador, sem precisar ir no Google pesquisar, por exemplo. O tráfego direto indica, na maioria dos casos, que a marca conquistou relevância diante do público, que já gravou informações sobre ela.
  6. Mídia paga: Podemos dizer que este é um canal que atua dentro de outros canais, pois por meio de mídias pagas é possível construir modelos de “venda” de audiência. Mesmo que seja possível alcançar um certo público no Facebook de forma orgânica, por exemplo, chegar sempre no público certo é bastante difícil. Com a mídia paga, você consegue que esse percentual aumente de modo considerável.

Agora que já vimos como criar uma campanha de marketing digital, quais canais podem ser usados e até como definir o público específico para um negócio, chegou a hora de detalharmos quais são os tipos de ações que podem ser feitas. Vamos lá?

Ações de uma campanha de marketing digital para começar agora mesmo

Como já dissemos, ainda estamos vivendo um período de incertezas, pois a situação da pandemia não está totalmente controlada. Precisamos ter um cuidado extremo com a higiene e ainda não sabemos quando os negócios voltarão a operar dentro da normalidade que estávamos acostumados. Então, o mais indicado é investir em ações que possam otimizar as vendas do comércio eletrônico.

Aqui, separamos ações de uma campanha de marketing digital que você pode implementar agora mesmo no seu comércio eletrônico:

Redes Sociais

Para quem está começando, uma ótima forma de aparecer para o público é criar páginas e perfis nas redes sociais. Mas fique atento: opte sempre pelas páginas corporativas. No Facebook, por exemplo, não use o seu perfil pessoal para falar da sua marca. Faça uma página específica para o e-commerce, pois além de ficar profissional, isso dá alguns benefícios na hora promover publicações e anúncios. O mesmo vale para qualquer rede, como Instagram, LinkedIn, Twitter, YouTube, entre outros.

Nas redes, é possível criar conteúdo de divulgação orgânico, para manter uma relação próxima com o público, mas também desenvolver campanhas pagas, com posts patrocinados e anúncios. As próprias mídias têm suas ferramentas de marketing integradas, que permitem criar e gerenciar as campanhas. A sua parte é fazer bom planejamento, execução e análise.

Links patrocinados

Os links patrocinados estão disponíveis nas redes sociais e em motores de busca. A proposta é simples: pagar por campanhas para que elas tenham impulsionamento e, dessa forma, alcancem um maior número de pessoas, trazendo mais visibilidade à marca. Uma das formas mais conhecidas são aqueles anúncios que aparecem no topo das buscas no Google.  

Há vários formatos disponíveis para você anunciar por meio de links. A escolha pelo tipo que você vai usar é feita quando a campanha é configurada na plataforma do Google ou da rede social escolhida. Eles estão separados em:

  • Custo por clique (CPC): o anunciante paga a cada clique no link;
  • Custo por mil impressões (CPM): a cobrança ocorre quando o anúncio atinge mil visualizações;
  • Custo por ação (CPA): o anunciante só é cobrado quando o usuário (cliente) realiza alguma ação relacionado ao anúncio;
  • Custo por visualização (CPV): para cada pessoa que ver o anúncio, é pago um valor.

O valor a ser investido em cada um dos formatos vai depender do modelo e da palavra-chave escolhidos pelo anunciante.

E-mail Marketing

Por ser uma das ferramentas mais antigas no meio digital, o e-mail segue como método interessante para se comunicar com o público. Em campanhas de marketing digital, ele é usado em estratégias de e-mails marketing, pois possibilita a comunicação com uma ampla seleção de contatos de um só vez. Ele auxilia na captação de novos leads e também na nutrição dos clientes com informações do negócio.

Você pode fazer um campanha de e-mail marketing, por exemplo, para avisar os cliente mais fiéis sobre a chegada de uma nova coleção com exclusividade. Ou escolher determinados consumidores, que você sabe que gostam de um produto específico, pois estudou sua clientela, e oferecer um desconto especial para queima de estoque.

Conte com a Wirecard!

Fazer uma campanha de marketing digital vai ajudar e muito o seu e-commerce nesse momento, mas você também não pode deixar de oferecer facilidades na hora de receber do seu cliente. E para isso, conte com a Wirecard. Nós temos uma solução de pagamentos completa para o seu negócio, que disponibiliza diversas opções ao consumidor, facilitando o seu dia a dia. Se quiser saber mais sobre a nossa solução de pagamentos, entre em contato ou acesse nosso site. Reforçamos nosso compromisso com os clientes e deixamos nosso time à disposição para ajudar você nesse momento. Confira a campanha “Conte com a Wirecard” e, como ela bem indica, conte com a gente!