Diminuir o abandono de carrinho, cuja taxa chega a 82,3%, segundo o estudo E-commerce Radar 2017, é um desafio para o e-commerce brasileiro. Entre os motivos que levam os consumidores a desistirem das compras estão as formas de pagamento indisponíveis, páginas de checkout que não transmitem segurança e o valor das taxas, aspectos que podem ser resolvidos com um bom intermediador de pagamento.

Mas, afinal, como escolher o intermediador de pagamento ideal para o seu e-commerce e receber pagamento online com segurança? Neste post, vamos mostrar quais aspectos devem ser considerados ao escolher o melhor entre tantos disponíveis no mercado. Confira!

Quer receber conteúdo personalizado para você? Escolha seus interesses

#1 Página de checkout:

Um intermediador de pagamento é um dos apêndices mais importantes da sua loja virtual, pois é ele que vai garantir a rentabilidade das conversões. No entanto, a maior parte dos intermediadores faz com que o usuário saia da página de checkout da loja, sendo levado para outra completamente diferente.

O problema é que essa mudança brusca normalmente leva à desconfiança por parte do cliente, que não se sente seguro para completar a compra e acaba abandonando o carrinho segundo o estudo do SPC Brasil e da CNDL, os consumidores online dão nota 7,9 para o grau de segurança nas compras pela internet, colocando esse aspecto como uma das maiores preocupações dos clientes de e-commerce.

Então, levando esse cenário em conta, um ponto que deve ser analisado é se o intermediador oferece uma página de checkout personalizada, condizente com o segmento e o layout da sua loja, e que, além de ser segura, também transmita essa segurança ao consumidor.

#2 Valores das taxas:

Se abrir mão do intermediador de pagamento hoje em dia, seja sua escolha por um adquirente ou sub-adquirente, é o mesmo que decretar a falência antecipada do seu negócio, melhor já discutirmos o valor das taxas.

Além de observar as empresas que oferecem os preços mais em conta do mercado (inclusive taxa de adesão gratuita), é preciso avaliar a quantia cobrada em caso de vendas parceladas cujos valores você deseja receber integralmente no ato da compra, por exemplo. O que acontece é que, muitas vezes, a taxa que incide sobre essa flexibilidade de pagamento é tão alta que pode inviabilizar suas vendas.

Outras questões também devem ser levadas em consideração quando olhamos para as taxas cobradas pelos intermediadores de pagamento para que não haja custos surpresas na operação que acabem por encarecer uma proposta que possa aparentar ser barata. O segredo é muita pesquisa de mercado para escapar de armadilhas.

#3 Nível de comodidade e confiança:

O ideal é que você foque totalmente na gestão do negócio, deixando toda a parte financeira por conta do intermediador de pagamento.

Por isso, vale a pena prestar atenção a detalhes que podem garantir sua comodidade, como a possibilidade que poucos intermediadores oferecem, por exemplo, de receber pagamento no e-commerce também offline, além de optar pelo serviço que ofereça ao cliente maior flexibilidade no que se refere às opções de pagamento, incluindo aí todas as bandeiras de cartão de crédito, bankline e boleto bancário.

#4 Grau de segurança:

O e-commerce brasileiro conseguiu driblar a crise e fazer crescer a preferência dos consumidores pelas compras virtuais. Claro que ainda há aquela parcela que não se sente segura o suficiente para comprar online, mas esses tem diminuido. De qualquer forma, qualquer elemento que consiga agregar confiabilidade e segurança às transações pela web é mais que válido.

Assegure-se, portanto, de que está escolhendo um serviço reconhecido (cheque sempre o Procon local e o portal Reclame Aqui), bem como uma marca de credibilidade no mercado.

Escolha um bom intermediador de pagamento e alavanque suas vendas!

Além de levar mais segurança ao cliente, as lojas virtuais também podem disponibilizar uma diversidade maior de formas de pagamento, garantindo a comodidade, que é um dos principais motivos de preferência do consumidor pelo e-commerce, segundo pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL).

E então, pronto para escolher a melhor opção para seu e-commerce? Para deixá-lo ainda mais seguro da decisão, indicamos que acesse nosso e-book Gateway de Pagamento X Intermediador de Pagamento.

No material, além de mostrarmos as diferenças entre eles, detalhamos o tema gestão de pagamentos. Clique no botão abaixo e faça download agora mesmo:Baixe o E-book

Aproveite e compartilhe este artigo com a sua equipe! E se restar alguma dúvida sobre o assunto, deixe um comentário no espaço abaixo. Estamos à disposição para trocar ideias!

Facebook Comments